Error
  • Error loading component: com_imageshow, 1

A FRAQUEZA FÍSICA E MORAL DO BRASIL // Gen Bda Paulo Chagas

A mais poderosa arma de uma Nação é seu amor próprio, manifestado no orgulho de seu povo, no patriotismo, na perfeita compreensão do seu elevado valor e a certeza de que a sua vontade superará todos os obstáculos e as ameaças colocadas à conquista e à defesa dos interesses nacionais.
O Brasil, no melancólico momento que vivemos, carente de razões que estimulem o amor próprio de seu povo e, mais ainda, de lideranças capazes de conduzir a vontade nacional a um esforço conjunto de recuperação, está vulnerável às ameaças que, permanentemente, pairam sobre suas aspirações.
Os poderes da República estão desmoralizados. Ministros e fiscais da lei juntam-se a infratores para adaptar a lei às práticas delituosas, de forma a legitimar o ilegítimo e a privilegiar o interesse de grupos, partidos políticos, pessoas e empresas, em detrimento do interesse nacional.
Um País sem estadistas, corrompido, vítima de si mesmo, ainda que contando com Forças Armadas profissionais, preparadas e equipadas será sempre vulnerável à ação da vontade de seus adversários.
A capacidade de mobilização das lideranças brasileiras, instrumentalizada pela demagogia própria dos falsários, se tem direcionado, basicamente, a questões de cunho ideológico que visam não mais que a sua perpetuação no poder e a dilapidação do patrimônio público.
O Brasil está degradado e pervertido pela corrupção que, a partir dos governantes, contamina o tecido social e enfraquece o comprometimento da sociedade com os valores que deveriam ser os alicerces de sua fortaleza física e moral.
O Exército Brasileiro, desviado de sua função principal, empenha-se para obter os meios que necessita para responder à sua imprescindibilidade perante a Nação. Para tanto tem se submetido à aceitação de missões que fogem ao enquadramento legal de seu emprego, pondo em risco a credibilidade e o prestígio que o colocam à testa da confiança da sociedade.
A estratégia indireta de atender a uma necessidade secundária, visando a suprir, pelo menos em parte, o necessário para a principal, isto é, a busca de materiais e sistemas de emprego dual (policial e bélico) para uso em operações complementares à segurança pública, na prevenção de crimes transnacionais em áreas de fronteira e na garantia de segurança à realização de grandes eventos, esportivos ou não, está a transformar a Força em uma colcha de retalhos, sem qualquer garantia de correção, de continuidade ou de retorno à prioridade da atividade fim.
O emprego do Exército em operações policiais, fora das condições legais, exaustivamente estudadas e estabelecidas pela Constituição Federal, potencializa o inevitável desgaste da Força, o que, por seu lado, traz consigo o aumento das possibilidades de falhas humanas, com reflexos negativos para a imperiosa obrigação de manter a instituição como líder da confiança nacional.
Cabe ao Estado o dever e os decorrentes encargos de sua própria defesa. Equipar devidamente as FFAA faz parte desse dever e não pode ser encarado como favor ou agrado e, muito menos, ser cumprido sob a forma de escambo, trocando equipamentos pela prestação de serviços complementares!
“A maiori, ad minus” – “quem pode o mais, pode o menos” -, as FFAA preparadas e equipadas para a guerra, são capazes de cumprir quaisquer missões; a recíproca, no entanto, não é verdadeira!
Apesar do comprometimento, do empenho, da honestidade e da competência dos seus quadros militares e da indignação de uma parcela cada vez maior da sociedade, a segurança e a defesa do Brasil, graças à falsidade, à incompetência e à má fé de seus governantes estão vulnerabilizadas por fraqueza física e, principalmente, por fraqueza moral!

Go to top